12/07/2017 Sinpol-RS participa de reunião convocada por policiais do Deic

A direção do Sinpol-RS, atendendo convocação realizado pelos policiais do DEIC (Departamento ...

A direção do Sinpol-RS, atendendo convocação realizado pelos policiais do DEIC (Departamento Estadual de Investigações Criminais), reuniu-se com os profissionais do Órgão a fim de abrir discussões sobre vários fatos que estão causando grande inquietude e descontentamento em toda a categoria. São eles:

1) Permanente atraso dos salários: os policiais presentes na reunião foram unânimes em afirmar estar insustentável não poder honrar seus compromissos e o sustento de suas famílias com a falta de compromisso por parte do Governo Estadual, em razão da insegurança de recebimento em dia de seus salários, tornando-se um verdadeiro pesadelo vivido mes após mês. Isto é inadmissível.

2) Atraso das Promoções: as reclamações foram contundentes pelo atraso das promoções que já perfazem mais de dois semestres. Os policiais sustentaram que, para o estímulo em nossa carreira devido ao volume exacerbado de operações, é obrigação da Chefia e do Estado colocar as promoções em dia, reconhecendo a dedicação dos profissionais de polícia. Como isto não ocorre, trata-se de um desrespeito e uma afronta a toda a categoria que doa sua vida em defesa da sociedade, como ocorreu recentemente. Apenas entrevistas e palavras bonitas não satisfazem a realidade cruel que vive a categoria. As promoções precisam ocorrer imediatamente.

3)Ataque aos nossos direitos constitucionais da aposentadoria de maneira antidemocrática: a Lei Federal Complementar 144/2014 definiu a aposentadoria especial aos policiais civis e federais, contemplando também a integralidade e paridade. Várias ADI foram impetradas desde então e o Supremo Tribunal Federal já decretou que os policiais civis possuem todos os direitos definidos naquele diploma legal. Ora, como pode um parecer da PGE-RS, derrogar o que a Suprema Corte já decretou? Após imediata reação de todas as entidades classistas da Instituição (Sinpol-RS, Asdep, Ugeirm e ACP), o Governo percebeu seu erro e reformulou tal entendimento. Esperemos que tal seja derradeira e final, não havendo mais este nefasto mal a nossa categoria, que após 30 longos anos de trabalho e dedicação merecem o devido descanso junto de seus familiares.

4) Questionamentos sobre alguns métodos de trabalhos visando produção cartorária, investigações, etc, os quais não estão de acordo com os meios e critérios de qualidade nos trabalhos policiais.

Ao final da reunião, ficou deliberado que os policiais civis retornariam aos seus órgãos policiais levando o conteúdo dos debates e as reivindicações a fim de obter o assentamento dos demais e acrescentar outras insatisfações da atual administração do Governo. Em nova reunião, também serão discutidos métodos de mobilização e de dar vistas a sociedade a insatisfação da categoria, a qual se mostrou unida, indignada e pronta para lutar pelos direitos, com o objetivo de prestar com tranquilidade um melhor tratamento de segurança pública à sociedade gaúcha, pela qual juramos servir e proteger. Também participou da reunião a Ugeirm. 

Postada por Carlos Matsubara