30/04/2015 Assembleia Geral do Sinpol-RS discute a insegurança pública no Estado e delibera decisões de cobrança ao Governo Sartoriphoto

Em Assembleia Geral Extraordinária realizada na tarde desta quarta-feira, na sede do Sinpol-RS, a diretoria do Sin...

Em Assembleia Geral Extraordinária realizada na tarde desta quarta-feira, na sede do Sinpol-RS, a diretoria do Sindicato e servidores da Polícia Civil do Estado discutiram e debateram temas relacionados à atual situação de insegurança pública que assola a sociedade, como a falta de condições de trabalho, tendo em vista a redução do pagamento de horas extras e de combustível (40%); a imprevisibilidade financeira, até o momento, destinada à compra de munição; o terrorismo midiático disseminando a possibilidade de atraso ou parcelamento de salários, sem a devida contestação ou esclarecimento do Governo; as notícias de provável não cumprimento do pagamento dos reajustes do subsídio dos agentes policiais, que deverá ocorrer no mês de maio corrente, o não chamamento, bem como a falta de previsão de data para a convocação dos 661 candidatos aprovados no concurso da Polícia Civil, visando recompor parte do efetivo policial, já defasado há quase quatro décadas, e o não cumprimento das promoções da categoria, que deveriam ser publicadas no último dia 21 de abril.

A Assembleia definiu que a direção do Sinpol-RS vai solicitar ao Chefe de Polícia, Del. Guilherme Wondracek, que até o dia 10 de maio seja concluída a lista de promoções e remetida ao Secretário de Segurança Pública, Wantuir Jacini, para posterior remessa ao Governador, a fim de assinatura e publicação até, no máximo, o dia 29 de maio.

Também foi decidido que, se após o término deste prazo, as negociações das referidas demandas não evoluírem junto ao Governo, será realizada uma nova Assembleia Geral, no dia 02 de junho, a fim de avaliar a possibilidade de uma paralisação, até mesmo manifestações mais contundentes da categoria, interrompendo as atividades de polícia judiciária.

O Sinpol-RS, acompanhando a violência e a criminalidade existente na rotina diária da sociedade, observando o recrudescimento das ações criminosas contra a vida humana e a banalização da certeza de impunidade, reivindica e exige ao Governador José Ivo Sartori um plano de segurança e gestão, hoje inexistente, a fim de evitar uma crise de proporções de difícil controle.

Para a presidente do Sinpol-RS, Ilorita Cansan, “não se pode admitir que a ausência social do Estado, vinculada à uma falta de administração pública voltada para a segurança, torne o Rio Grande do Sul uma sucursal da criminalidade desenvolvida em Estados como Rio de Janeiro e São Paulo. Há que se agir a tempo, valorizando o servidor policial, investindo em condições dignas de trabalho e mantendo as conquistas legais consolidadas nos últimos quatro anos”.

Também participou da reunião o vereador Delegado Cleiton (PDT), sócio do Sinpol-RS, o qual em sua fala empenhou total apoio à luta das reivindicações da categoria, colocando à disposição a Bancada do PDT na Câmara Municipal e na Assembleia Legislativa, em defesa das conquistas policiais. “Os avanços conquistados pela categoria nos anos anteriores são princípios trabalhistas que devem ser mantidos pelo PDT”, salientou o Vereador.

Postada por Carlos Matsubara