18/06/2015 Audiência Pública expõe insatisfação dos servidores da Segurança com falta de ação do Governo Estadualphoto

Diante de um auditório lotado por mais de 600 servidores da Segurança Pública e aprovados em concurs...

Diante de um auditório lotado por mais de 600 servidores da Segurança Pública e aprovados em concursos da área, que ainda não foram chamados, deputados e representantes do Governo Estadual ouviram as reivindicações e denúncias de descaso com a segurança na Audiência Pública que tratou do tema, na manhã desta quinta-feira, 18.

Apesar de ter confirmado presença, o Secretário de Segurança, Wantuir Jacini, não compareceu ao evento, enviando em seu lugar o Coordenador de Gestão e Estratégia da SSP, tenente coronel Luiz Dulinski Porto. O fato causou a indignação geral dos servidores, que esperavam ouvir explicações e apontamentos para soluções do próprio titular da pasta.

Entre os principais problemas mencionados pelos sindicalistas da Polícia Civil, da Brigada Militar, Susepe e IGP, estão a falta de efetivo, sem previsão de convocação dos aprovados em concursos das Instituições; o corte de horas extras e diárias; corte de verba para o combustível das viaturas e o PLC 206/2015, que pretende suspender os reajustes das categorias, parcelados até 2018. 

O vice-presidente do Sinpol-RS, Emerson Ayres, lembrou também do atraso nas promoções da Polícia Civil, que deveriam ter sido publicadas em abril. “Os policiais que saem de casa todas as manhãs sem saber se vão voltar e desempenham suas funções na esperança de ter um reconhecimento foram esquecidos por este Governo”, disse Ayres. O vice-presidente falou também sobre a falta de efetivo e a sobrecarga de trabalho em razão disso. “Nós vivemos hoje, na segurança pública, o início de um caos formado por posições e atitudes do atual Governo. Quando falamos na necessidade de chamar os aprovados dos concursos é para desafogar e permitir que nós policiais, que já estamos há mais de 30 anos em atividade, não tenhamos que trabalhar 15 ou 20 horas por dia sem estar recebendo digna e merecida hora extra, também cortada pelo Governo Sartori”, afirmou.

Servidores dão as costas ao representante da Secretaria de Segurança

Após ouvir a argumentação dos sindicatos, o representante da Secretaria de Segurança, tenente coronel Luiz Dulinski Porto, disse que, atualmente, a crise financeira do Estado impede que o Governo atenda as reivindicações das categorias, pedindo a compreensão e solidariedade dos funcionários públicos, momento em que uma parte dos servidores deixou o auditório e a outra deu as costas ao representante, manifestando insatisfação com o discurso padronizado e repetitivo de falta de recursos e pouca ação por parte do Governo Estadual.

Apesar de muito importante e relevante para expor a insatisfação das categorias, a Audiência Pública foi encerrada sem soluções, sem previsão de melhorias ao setor e tampouco apresentou um plano de segurança para a população. Deixar os servidores da segurança pública sem respostas é demonstrar o mínimo de respeito a pessoas que se dedicam à função policial 24h, além de desvalorizar quem honra a Instituição e está disposto arriscar a própria vida em defesa da sociedade.

A diretoria do Sinpol-RS agradece aos deputados Nelsinho Metalúrgico (presidente da Comissão de Segurança e Serviços Públicos da Assembleia Legislativa), Miriam Marroni, Maurício Dziedricki e Valdeci Oliveira pela realização da Audiência Pública, e aos demais deputados e vereadores que se fizeram presentes em apoio às categorias da Segurança.

Reforçamos a união das categorias e conclamamos aos servidores para que estejam presentes no Ato Pela Segurança Pública, que ocorrerá no dia 7 de julho em Porto Alegre. Lembre-se: A POLÍCIA CIVIL ESTÁ EM ALERTA!

Fotos: Andressa Pazzini

 

Postada por Carlos Matsubara