12/06/2019 Segue a firme a luta pelos direitos policiaisphoto

Esta é uma semana do muito importante para quem vai sofrer algum impacto com a reforma da previdência, em especial para os policiais que terão seus direitos usurpados se o texto original for aprovado. O motivo é que no decorrer do dia 10 a 14 de junho, ocorrerá um capítulo decisivo para a PEC 06/2019, a leitura e votação do relatório na Comissão Especial criada para sua análise.

A Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis, COBRAPOL, em virtude disto, convocou seus diretores, entre os quais estão dois representantes do SINPOL RS para que estivessem em Brasília nesta semana neste momento.

Em companhia de outros 37 diretores representantes das 27 unidades federativas do país, o objetivo da viagem é visitar, conversar, explicar e exigir dos deputados que compõem a Comissão Especial, a preservação dos direitos do Policiais Civis Brasileiros.

Atendendo prontamente ao chamado, o SINPOL RS mandou seus diretores, Mário Flanir que é Diretor Jurídico da entidade e também Diretor Jurídico da COBRAPOL e o Secretário-Geral do Sindicato e Vice-Presidente Regional Sul da confederação Sandro Quevedo.

Após um mapeamento do voto dos parlamentares os policiais civis, os diretores da COBRAPOL, divididos em grupos representativos procuraram todos os parlamentares integrantes da Comissão Especial para explicar e pedir destaque nas emendas que contemplam nossa aposentadoria de forma digna.

Ocorre que o texto original da Reforma Previdenciária enviada ao Congresso nos tiram direitos que foram sendo adquiridos após vários anos de luta, como a integralidade e a paridade. A COBRAPOL, durante este processo conseguiu junto a três parlamentares que fizessem emendas que contemplam nossas reivindicações.

Na tarde de terça-feira (11), os diretores foram de gabinete em gabinete conversar com os parlamentares e apresentar a eles estas três emendas, que dentro das outras 277 apresentadas contemplam os Policiais Civis, Rodoviários Federais, Federais, Guardas Civis e todas as outras categorias ligadas a Segurança Pública que foram esquecidas no texto original da Reforma da Previdência enviado ao Congresso pelo governo.

De alguns deputados conseguiram vídeos de apoio, de outros apenas um compromisso de análise mais apurada da situação. Sendo que todos concordam que nossa atividade é de risco, contrapondo a posição da Reforma original que entende que apenas as policias militares precisam de atenção especial.

No final do dia, em reunião com o Dep. Felipe Francischini (PSL/PR), presidente da Comissão de Constituição e Justiça, juntamente como o Dep. Del. Waldir (PSL/GO), líder do PSL na Câmara dos Deputados e com o Dep. Fábio Schiochet (PSL/SC), onde foi dito que o PSL fará o possível para corrigir os erros cometidos contra os policiais do Brasil que foram esquecidos e não contemplados no testo da reforma original.

Por fim, reuniram-se com o Relator do texto na Comissão Especial Dep. Major Vitor Hugo (PSL/GO), que afirmou que esteve reunido na segunda-feira (10), com o relator da PEC 6/2019, e este afirmou que não vai considerar nenhuma das reivindicações policiais, salvo as pensões e transição do período faltante para quem não tempo para se aposentar. O relator declarou que está em plena sintonia com o Presidente da Câmara Deputado Federal Rodrigo Maia(DEM/RJ), e que o texto da PEC enviada pelo Presidente Bolsonaro será aprovada pelo seu relatório integralmente, com exceção aos pontos referidos, assegurou ainda que tem o apoio dos governadores.

Os diretores do SINPOL RS estão trabalhando e atuando fortemente na Câmara Federal, em busca de apoio às emendas propostas, os diretores Sandro Quevedo e Mario Flanir estão em grupos diferentes a fim de buscar uma luta constante, permanente e eficaz contra a retirada de direitos dos policiais, durante esta semana publicaremos textos construídos por eles que estão no olho do furacão e lutando pelos direitos dos policiais civis.

Postada por Mariana Weber