12/06/2019 Representantes do SINPOL RS acompanham a COBRAPOL em reunião com líder do Governophoto

Na tarde da última terça-feira (11), a direção da Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis, Cobrapol, liderada pelo Presidente André Gutierrez, esteve reunida com o Líder do Governo Bolsonaro, Deputado Federal Major Vitor Hugo (PSL/GO) em seu gabinete, para obter apoio e buscar uma posição definitiva sobre o reconhecimento e inserção no relatório do Deputado Federal Samuel Moreira (PSDB/SP), relator da reforma da Previdência (PEC 6/19), as reivindicações por meio de emendas, atendendo aos policiais civis brasileiros.

Os pleitos são aposentadoria com integralidade e paridade, pensões integrais por morte em objeto de serviço, transição com percentual igual aos militares das forças armadas, extinção das alíquotas exorbitantes previdenciárias, não a desconstitucionalização das aposentadorias, etc).

Como resposta o Líder do Governo afirmou que esteve reunido na segunda-feira (10), com o relator da PEC 6/2019, e este afirmou que não vai considerar nenhuma das reivindicações policiais, salvo as pensões e transição do período faltante para quem não tempo para se aposentar. O relator declarou que está em plena sintonia com o Presidente da Câmara Deputado Federal Rodrigo Maia(DEM/RJ), e que o texto da PEC enviada pelo Presidente Bolsonaro será aprovada pelo seu relatório integralmente, com exceção aos pontos referidos, assegurou ainda que tem o apoio dos governadores.

O Dep. Major Vitor Hugo (PSL/GO) afirmou que para que se obtenha aprovação das nossas demandas, caso o relatório do Dep. Samuel Moreira (PSDB/SP) seja aprovado, restará realizar emendas de destaques no plenário da Comissão Especial, e após seja encaminhada para apreciação e aprovação no plenário da Câmara, se for o caso, quando da votação final da PEC.

Estamos em uma situação muito delicada e apreensiva, para que venhamos a manter nossas garantias constitucionais conquistadas com muita luta e reconhecimento profissional. O momento exige muita organização, luta, foco e articulação política dentro da Câmara Federal para que nossa carreira não seja aviltada; nossas famílias desconsideradas, nossa Instituição Polícia Civil desqualificada. Isto tudo poderia ser evitado se o Presidente Bolsonaro, houvesse honrado sua palavra durante a campanha eleitoral, que os órgãos internos de segurança do país receberia os mesmos tratamentos dos integrantes das Forças Armadas. Todavia sua palavra honrosa inexistiu no conteúdo da PEC Previdência.

- O governo ignorou o sangue de milhares de policiais que mancham o solo da nossa Pátria em defesa da sociedade brasileira, nesta verdadeira guerra urbana em que vivemos, em detrimento de índices financeiros fictícios contestados por especialistas previdenciários, economistas e órgãos fazendários. Lutemos, resistimos e vamos até as últimas consequências para vermos nossos direitos consolidados, diz o Diretor Jurídico do SINPOL-RS e da COBRAPOL, Mário Flanir.

Postada por Mariana Weber