23/11/2018 Reforço anunciado não é próximo ao suficiente para recuperar o efetivo da Polícia Civil do RSphoto

Às vésperas de encerrar seu mandato, e claramente com o objetivo de dizer à população que fez grandes avanços na segurança pública, o governador José Ivo Sartori anunciou no final da tarde de quinta-feira (22) a autorização para a convocação de 400 agentes aprovados no concurso da polícia civil, para fazer o curso de formação na Academia de Polícia, Acadepol.

O governador Sartori diz repetidamente: “Fizemos um dos maiores concursos da história da Segurança pública do Rio Grande do Sul”, o que ele esquece de dizer junto a esta frase, é que a convocação anunciada totaliza apenas um terço dos aprovados no concurso.

A Polícia Civil gaúcha está em situação de defasagem, esquecida e desrespeitada pelo poder público. Para que o efetivo seja recuperado, é necessário a realização de mais cinco concursos, com o número mínimo de 1000 vagas em cada um.

O governo fala em responsabilidade com as convocações, é importante ter responsabilidade sim, mas com a segurança dos agentes, para evitar que bombas sejam encontradas nas soleiras de suas janelas e impedir que as delegacias sejam transformadas em verdadeiros presídios, expondo os policiais ao risco e sujeitando a população à mesma situação de perigo, uma vez que tratam-se de prédios sem estrutura adequada para receber detentos.

A sobrecarga de trabalho recai sobre os ombros dos policiais que tentam suprir de alguma forma a evidente falta de pessoal. Além de todo o desgaste do excesso de trabalho, os agentes precisam equilibrar as contas pessoais todos os meses porque o salário não cai na conta no dia que deveria e quando cai, vem parcelado.

O reconhecimento dos policiais que vêm trabalhando dobrado é a decepção de suas famílias neste final de ano, porque além de o salário estar atrasado, não se vislumbra sequer uma réstia de esperança sobre o décimo terceiro.

A população gaúcha vem sofrendo com a insegurança e falta de policiais, os que estão trabalhando estão sobrecarregados e trazem consigo a incerteza da integridade física e financeira de suas famílias.

Postada por Mariana Weber