06/06/2018 Em cinco meses, Polícia Civil apreendeu 90% do total de LSD recolhido em 2017photo

Até maio, foram recolhidos 7.765 pontos da droga sintética, enquanto em todo ano passado foram 8.630


Largamente utilizado na era hippie nos psicodélicos anos 1960, o LSD retornou definitivamente à moda. A nova geração de usuários da droga sintética, com efeitos alucinógenos, surgiu ainda na década de 1990 em vários países, sendo encontrada atualmente com os frequentadores de festas raves de música eletrônica, jovens profissionais do meio digital e universitários, entre outros. O LSD é consumido em microdoses inclusive com a justificativa não comprovada cientificamente de aumentar o foco, criatividade e produtividade, em intervalos de dias, sem levar em conta os efeitos nocivos como a instalação de quadros de depressão, psicose, alucinações e ansiedade aguda, além da morte.


No Rio Grande do Sul, a Polícia Civil, através do Departamento Estadual de Investigações do Narcotráfico (Denarc), tem efetuado um combate ao LSD. Em 2015 foram apreendidos 5.159 pontos da droga sintética, em 2016 foram mais 5.891 pontos e em 2017 pulou para 8.630. Agora em 2018, os agentes já recolheram 7.765 em cinco meses. O flagrante mais recente ocorreu na manhã desta quarta-feira no bairro IAPI, em Porto Alegre. A equipe do delegado Maurício Barison interceptou a entrega de cerca de 200 pontos de LSD, suficientes para produzirem em torno de 800 microdoses, que ocorreria em uma praça. O entorpecente foi abandonado por dois criminosos que estavam em uma moto e fugiram ao pressentirem a abordagem dos policiais civis. Apesar da perseguição, a dupla escapou com a moto em meio ao trânsito.

O diretor de investigações do Denarc, delegado Mário Souza, observou que a droga apreendida tinha várias estampas. Ele teve a atenção despertada para uma delas que exibia desenhos estilizados de posições sexuais entre duas pessoas. A mesma, recordou, nunca havia sido encontrada nas operações policiais anteriores. “É bem incomum”, admitiu. Sobre o crescente número de pontos de LSD apreendidos, o delegado Mário Souza explicou que “o resultado é devido ao planejamento estratégico e equipes especializadas”. Na avaliação dele, o aumento do consumo é “vertiginoso”, assinalando que se trata de “uma droga mais cara e de pequeno volume”.

Fonte: Correio do Povo

Postada por Carlos Matsubara